Welcome, guest! Please login or register.

Autor Tópico: Moral nos jogos  (Lida 5360 vezes)

Offline Gun_Hazard

  • Anarquista de Plantão
  • Aventureiro Castigado
  • *******
  • Mensagens: 2.106
  • Reputação: +368/-357
    • Falha Crítica
Moral nos jogos
« Online: Janeiro 23, 2012, 08:46:20 am »
Devido a uma insônia de ontem estava refletindo sobre algo que me aconteceu essa semana...

Estava jogando Fallout 3...
Spoiler (click to show/hide)

E cheguei a uma vila pequenina onde tinha uma pessoas que eram meio 'estranhas' e um velho solityário que não queria mais contato com a família dele. E chamava os familiares de 'Loucos Assassinos'.

Investigando um galpãozinho eu acabei por descobrir que a Vila inteira, incluindo as crianças, mas menos o velho comiam carne de outras pessoas que eles capturavam quando passavam pela cidade.

Ao sair fui descoberto, mas me deixaram ir sem briga.

Como resultado entrei furtivamente nas casa a noite e usei um Ripper (faca tipo moto-serra) em todos os adultos enquanto dormiam (Sneak attack neles...)

É apenas um jogo eu sei, mas mesmo o personagem sendo especialista em armas de fogo e sendo muito mais seguro ter dado cabo deles com tiros achei que eles mereceriam algo mais cruel (Embora para efeito de jogo também desse no mesmo). Ou seja, a FORMA como a vingança foi realizada só fez diferença para mim, mas fez a diferença ao ponto de cogitar usá-la e depois pensar sobre isso. Mesmo em jogos eletrônicos ou de RPG eu não consigo ser de nenhum dos extremos, não sou Certinho, mas também não consigo ser totalmente Ruim.

Mesmo meus personagens mais psicopatas ainda tinham um fraco as vezes principalmente para com aqueles que são indefesos, digamos que meus personagens mais psicopatas eram capazes de crueldades extremas contra pessoas fortes ou que já eram más de alguma forma, mas não contra pessoas indefesas, nesta na melhor das hipóteses eles seriam 'rápidos e indolores', mas mesmo assim evitando ter de chegar a este ponto.

Claro que também nunca consegui jogar com um personagem 100% Ordeiro/Leal em D&D (o que seria um certo desafio). Quando confrontado com alguma situação como a citada no FallOut acabo achando que nem sempre o 'correto' é o aplicável a situação. Posições morais inflexíveis como as do Batman em 'Under de RedHood' ou no filme do
'Cavaleiro das Trevas' são coisas que talvez não se encaixem na minha concepção do como eu realmente ajo frente a estes casos.

Como já disse uma vez caso presencie um caso de violência grave contra crianças como por exemplo estupro (ou mesmo estupro de adultos), dificilmente eu não resolveria a situação 'com as próprias mãos', as vezes me pergunto se seria capaz de deixar o cara vivo para a policia (Principalmente se envolvesse crianças).





E vocês como arbitram estas questões morias em seus jogos (mesmo os de Video-Game mas principalmente os de RPG)?



« Última modificação: Janeiro 23, 2012, 08:47:55 am por Gun_Hazard »
Se não puder ajudar, atrapalhe, o importante é participar!

Não Existem Regras Aqui – Nós Estamos Tentando Realizar Algo!

Offline balard

  • Já Recebo Espólios
  • ******
  • Mensagens: 1.829
  • Reputação: +8/-20
Re:Moral nos jogos
« Resposta #1 Online: Janeiro 23, 2012, 09:24:38 am »
Fallout é foda com essas questões morais :) Estou ansiso pra jogaro Fallout 3. No New Vegas tem uma situação enrolada apesar de não ser tão extrema. Uma fazenda de colonos estava com problemas por estar recebendo pouca água para irrigação. Os colonos acreditavam ser os militares(q eram os responsáveis pela fazenda) os culpados, e q estavam mentindo para eles.  Vc vai investigar, seguindo a trilha de um soldado q investigou o caso antes de vc. No fim vc descobre que a água está sendo desviada para uma vilazinha muito pobre(tipo uma favelinha), q enfrenta problemas de fome, doenças e ataques. A única coisa boa que eles tem aconteceu recentemente, com uma fonte de água limpa e um cara que apareceu ensinando eles técnicas de agricultura. Esse cara por acaso faz parte da única organização legitimamente Good do cenário. Só q esse mesmo cara matou o coitado do soldado inocente que estava investigando o caso da água, para impedir que o desvio fosse notado. O que vc faz? Mata/entrega o cara e condena a vila, ou condena os colonos que vão acabar abandonando o lugar devido a alta tensão causada pela falta dágua? Fallout é foda :)

No RPG eu normalmente não tenho muito problema com isso. Meus jogadores constantes tem uma inclinação forte para o lado good das coisas, inclusive quando eles cometem ações "Evil" eu faço facilmente os JOGADORES sentirem remorsos :) Já tive jogadores q interpretavam personagens de moral mais ambíguo, mas a maioria deles era do tipo "jogador-incomodo" que fazer algo bom.

No meu caso, eu normalmente jogo de bonzinho. A maioria dos jogos q tem como se fazer esse tipo de escolha, vc só realmente ganha algo se for 100% bom ou 100% mal. Já no rpg, uma vez interpretei um druida que tinha uma visão heróica do mundo, mas não levava a morte como algo muito importante. Ele arriscava sua vida sem duvidar contra dragões e demônios para salvar pessoas, ao mesmo tempo q mataria uma dessas pessoas se elas avançassem muito em sua floresta.
isso ak é twitter ou assinatura?

@danielbalard

Seja um dragão! Pergunte-me como!

Offline AlexBarros

  • The Watcher
  • Derroto Quase Tudo
  • *********
  • Mensagens: 5.623
  • Reputação: +25/-18
  • Feel the Force... Use the Force...
Re:Moral nos jogos
« Resposta #2 Online: Janeiro 23, 2012, 11:27:18 am »
Com relação a moral em jogos de RPG eu tenho mais cuidado em utilizar essa ferramenta, ainda mais por curtir jogos mais tensos como os de terror pessoal. É sabido que uma hora ou outra vai acontecer um "pecado capital" por parte do jogador, então eu faço com que as escolhas dele se mostrem e cobrem dele suas dívidas.

Nem sempre consigo que os jogadores peguem tbm esse "espírito da coisa" acho que tbm tem de haver um "querer" de todo o grupo. Já vi gente jogando com personagens good que fizeram verdadeiras chacinas, ou evil que se importava se a vila tinha ou não suprimentos para se manter.

Quando são meus personagens, eu tento seguir uma linha com base no perfil que eu montei para ele. Mas a tendência sempre é para personagens que vão tentar agir para o bem. Já tive bons canalhas (mesa do balard de sand box), espertalhões (mesa de ladinos aki do fórum), mas todos a sua forma tentavam melhorar a vida da comunidade em que estavam/estão inseridos.
"Os talentosos atingem metas que ninguém mais pode atingir; os gênios atingem metas que ninguém mais pode ver" - Arthur Schopenhauer

"Deus conseguiu fazer o mundo em  6 dias porquê não tinha ninguém perguntando quando ia ficar  pronto. Agora para um programador esta frase é feita a cada 6 minutos"

Offline Zanard

  • Já Recebo Espólios
  • ******
  • Mensagens: 1.680
  • Reputação: +5/-10
Re:Moral nos jogos
« Resposta #3 Online: Janeiro 23, 2012, 02:16:38 pm »
Em jogos, depende muito da situação em si, mas acho que me enquadro mais no arquétipo de justiça com as próprias mãos. Principalmente em cenários como FallOut, onde você é encorajado a fazê-la, para que as injustiças não tem matem depois.

Já no RPG, eu já tive alguns jogadores (nunca tive muitos mesmo) que tentaram de início fazer um personagem maligno e cruel, ou no mínimo sangue-frio, mas que acabaram por seguir uma linha completamente diferente, acabando sempre por fazer o bem, ou pensar no bem-estar de outrem em primeiro lugar.

Eu mesmo, nunca jogeui direito pra poder dizer, mas quando jogava sempre tendia ao lado bom das coisas. Creio que seria um desafio ir contra esta tendência, mas nunca tive a chance de tentar. Deve ser a influência da moral social da RL muito forte, e minha inexperiência me impedindo de dribá-la para a interpretação.

Offline Allian

  • Já Recebo Espólios
  • ******
  • Mensagens: 1.958
  • Reputação: +14/-12
  • "Keep Walking"
Re:Moral nos jogos
« Resposta #4 Online: Janeiro 23, 2012, 02:29:18 pm »
eu to vendo bem essa situação no Skyrim (bethesa é boa nisso em?). boa parte das linhas maiores que quest tem dois lados se batendo (guerra de clãs em winterun, guerra legião contra stormcloaks, linha da quest principal) em que vc tem que tomar um partido. só que você tem poucos motivos pra gostar de um dos lados e varios pra desgostar de ambos, principalmente do lado ético. alem disso existem as linhas de quest de facção (companions e colege) em que embora a facção seja uma representação de um personagem que você gostaria de fazer parte, ambas as facções revelam um lado diferente que você reluta as vezes em se tornar parte. os companions são cabeças duras, matam por matar e viram (spoiler). eu pessoalmente tava afim de me juntar a facção que fazia oposição a eles, mais não tem essa escolha...

ja o colege of winterhold te recebe como um mago. até ai tudo bem. só que quando mais side quests vc faz, mais vc percebe como é um bando de elitistas egocentricos. tem briga interna pra tudo que é lado, gente sem escrupulos nenhum de matar colegas na surdinha se isso os beneficiar, mercadores de materiais ilegais, potencialmente perigosos e nego fazendo experiencias que poderiam estourar o castelo inteiro facil. a falta re responsabilidade é bem visivel. e pra fechar com chave de ouro: eles se negam a fazer qualquer coisa em beneficio do proximo. eles pouco querem ajudar. o encantador da escola não me faz encomendas nem comigo como lider da escola. nariz empinado pouco é bobagem. se eu pudesse, eu fechava aquele colegio...

não vo falar da guilda de thiefs porque 1: eu não fiz e 2: esse tipo de problema meio que faz parte da descrição da guilda, então faz sentido eu comentar.

isso ainda são as quest amenas. as quests do dark brotherhood e principalmente dos principes draedrics são verdadeiramente doentias. não vou falar porque é spoiler.

dificil fazer um personagem com bussola moral correta sem perder metade das quests...

sobre as aplicações nisso em RPGS:

eu geralmente tento ser o mais neutro possivel. meu mundo funciona com ação e reação. se os jogadores pendem pro lado bom, o mundo responde de acordo. mesma coisa se eles penderem pro lado mais evil da coisa. a reação do mundo no caso do evil depende do que eles fazem. é espalhafatoso? mal feito? deu azar? o jogador pode ser punido pelo problema. bem feito, sortudo ou feito com discrição? o mundo não reage. cada npc tem uma bussola moral interna dependendo do BG dele (umas 4 ou 5 linhas geralmente) e ele pode ou não reagir dependendo do que vir. um guarda viciado em alcool tem menos chances de se interessar por alguem vendendo bebidas de contrabando.

sobre reações em cadeia: se o guarda que foi morto na calada da noite tinha uma esposa e filhas, elas vão saber do ocorrido mais tarde. vai haver um funeral. ambas ficaram tristes durante um bom tempo e caso elas souberem dos culpados, elas vão fazer de tudo pra que a policia/guardas da cidade tomem providencias. se os jogadores vão saber disso ou se eles vão ter contato com essa parte da historia? depende do acaso. talvez sim, talvez não. as vezes ele é um npc que marca todos, as vezes ele é o guarda #7. depende do quanto os jogadores estão dispostos a fuçar ou do acaso.

a unica coisa que eu realmente limito nos meus jogos é a tendencia do grupo como um todo. raças que se odeiam, assassinos com paladinos e outras combinações fadadas a terem brigas internas eu ja corto de começo. não tenho nada contra personagens malignos, se o grupo inteiro queiser ser maligno, eu mestro com vontade. mais não vou ficar parando a mesa porque o drow e o paladino resolveram trocar picuinhas no meio do cataclisma.

claro, isso quando eu mestro mesas de D&D. messas como WoD geralmente tem um indice de "ironia do destino" um pouco mais elevado. tudo coisa do acaso, claro...

pessoal que ja jogou comigo mestrando D&D sabe o tanto de "coisinhas" curiosas, fatos estranhos ou locais com uma sensação de "deixei algo passar" eu ja deixei pelo meio do caminho que nunca foram investigadas. se la vi.
« Última modificação: Janeiro 23, 2012, 02:29:40 pm por Allian »

Offline balard

  • Já Recebo Espólios
  • ******
  • Mensagens: 1.829
  • Reputação: +8/-20
Re:Moral nos jogos
« Resposta #5 Online: Janeiro 23, 2012, 02:38:31 pm »
E o witcher? Vc entra no lado dos humanos xenófobos genocidas ou dos elfos terroristas assassinos? :)

A vantegem desse s jogos é q vc tem habilidade de mudar o mundo. Vc pode facilmente exterminar todos os personagens de uma facção num jogo desses :)

O q eu mais queria era q o mass effect me deixasse matar os fdp do conselho :)

O legal a se explorar tanto no videogame quanto no rpg, é o a mudança q os personagens provocam no mundo, e não o contrário. se vc coloca uma situação q duas facções com tons de cinza apareçam na campanha, e os jogadores tenham q se alinhar, tem q ter a possibilidade de mantar tudo a merda e fazer sua própria facção, com jogos e prostitutas!
isso ak é twitter ou assinatura?

@danielbalard

Seja um dragão! Pergunte-me como!

Offline Coruja

  • Já Recebo Espólios
  • ******
  • Mensagens: 1.795
  • Reputação: +3/-4
  • Si vis pacem, para bellum.
Re:Moral nos jogos
« Resposta #6 Online: Janeiro 23, 2012, 03:09:04 pm »
Bom, eu jogo e mestre para WoD ... e nos meus jogos rola o pior do pior do pior da humanidade. Eu tive uma jogadora que travou numa sessão de jogo pois não conseguia mais jogar. Ela chegou num nível de imersão tão grande que sentiu medo real do que poderia acontecer com sua personagem. Ela não avançava nem recuava. Tivemos que interromper a sessão naquele ponto.

Acho que nem todos têm estômago para encarar o lado mau do mundo.

Offline Gun_Hazard

  • Anarquista de Plantão
  • Aventureiro Castigado
  • *******
  • Mensagens: 2.106
  • Reputação: +368/-357
    • Falha Crítica
Re:Moral nos jogos
« Resposta #7 Online: Janeiro 23, 2012, 04:26:08 pm »
O q eu mais queria era q o mass effect me deixasse matar os fdp do conselho :)

2

O legal a se explorar tanto no videogame quanto no rpg, é o a mudança q os personagens provocam no mundo, e não o contrário. se vc coloca uma situação q duas facções com tons de cinza apareçam na campanha, e os jogadores tenham q se alinhar, tem q ter a possibilidade de mantar tudo a merda e fazer sua própria facção, com jogos e prostitutas!

Bender manda lembranças...

Esse tipo de coisa de o personagem influenciar a facção é complicado.

O que você disse do personagem influenciar o mundo em vez do mundo influenciar o personagem é relativo. Eu sempre vi isso como Megalomania dos jogadores, dá certo pro Video-Game, mas prefiro que seja mais tênue a influencia. Como por exemplo não deixar um jogador destruir TODOS os Zhentarins, mas ainda poderia deixar ele tomar uma das cidadelas deles. Seria algo que impactaria muito a organização, mas sem a dissolver por completo. Só num jogo super-uper que isso seria no mínimo viável.
Se não puder ajudar, atrapalhe, o importante é participar!

Não Existem Regras Aqui – Nós Estamos Tentando Realizar Algo!

Offline Sigfried

  • Aventureiro Castigado
  • *******
  • Mensagens: 2.063
  • Reputação: +18/-21
  • Chimicherries ou Cherrychangas?
Re:Moral nos jogos
« Resposta #8 Online: Janeiro 23, 2012, 04:58:57 pm »
Em RPG de mesa ou jogos de videogame, eu tenho um problema nas escolhas morais possiveis no jogo.

Em jogos como Fallout, por exemplo, a moralidade do personagem acaba sendo similar a minha.
Eu não consigo, de forma alguma, me aliar a Legião em Fallout New Vegas, detestando a forma como eles agem, mesmo que eu concorde em uma pequena parte com a posição deles.
Eu tambem não gosto do outro grupo que luta pela supremacia na região, mas por ora, eles são os menos crueis e menos extremistas.

Em uma mesa de RPG, eu crio sempre personagens medianos, sem situações extremas em seus backgrounds, para mante-los em um campo mais neutro na hora das escolhas morais.

Quanto a influencia do personagem no cenario. Em videogame, o jogador é o personagem mais importante do jogo. Se ele não influenciar o mundo todo como suas ações, o jogador não vai se interessar tanto.
Mas em uma mesa de RPG, onde temos varios jogadores, dar a eles responsabilidade de alterar o cenario é algo muito complexo e potencialmente destrutivo. E corre o grande risco dos personagens ficar exageradamente e surrealmente mais influente que os outros.
Nem todo mestre está aberto a permitir tal opção.
(A unica coisa que a gente queria era abrir um puteiro! PORRA! Não ia foder nem a economia do lugar!)

Quanto a matr o coneslho em Mass Effect, eu tambem queria.
Mas não dava pra "deixar" eles pra morrer?
« Última modificação: Janeiro 23, 2012, 04:59:08 pm por Sigfried »

Offline Allian

  • Já Recebo Espólios
  • ******
  • Mensagens: 1.958
  • Reputação: +14/-12
  • "Keep Walking"
Re:Moral nos jogos
« Resposta #9 Online: Janeiro 23, 2012, 05:03:53 pm »
(A unica coisa que a gente queria era abrir um puteiro! PORRA! Não ia foder nem a economia do lugar!)

claro, e eu que ia interpretar as meninas de la né? =/

Offline Rakkation

  • Mascotinho do Grupo
  • ****
  • Mensagens: 519
  • Reputação: +3/-4
  • Bad Motherfucker!!
Re:Moral nos jogos
« Resposta #10 Online: Janeiro 23, 2012, 08:39:05 pm »
Muita coisa para ler... Mas também não consigo ser "completamente mau" nos jogos. Assim, tirando Morrowind, nunca joguei nenhum jogo que me desse uma opção parecida com essa do Fallout, mas para sacarem como sou eu jogando video-game, mais ou menos, aí vão dois exemplos, um antigo e um recente:

Em GTA e Scarface, nunca matava inocentes à toa. E sempre que acontecia (fugindo de perseguição, por exemplo), eu soltava um "puta que pariu..." rsrs.

E agora (ontem mesmo) no God of War III, também não matei nenhum personagem que não fosse declaradamente inimigo. No Tártaro, não matava os zumbis que ficavam vagando pra lá e pra cá; e na cidade Olímpica não matava as pessoas inocentes. O foda é ver o Kratos, nos movies, cagando e andando para isso rsrs.

Spoiler (click to show/hide)
« Última modificação: Janeiro 23, 2012, 08:42:35 pm por Rakkation »


Offline balard

  • Já Recebo Espólios
  • ******
  • Mensagens: 1.829
  • Reputação: +8/-20
Re:Moral nos jogos
« Resposta #11 Online: Janeiro 23, 2012, 08:49:27 pm »
O q eu mais queria era q o mass effect me deixasse matar os fdp do conselho :)

2

O legal a se explorar tanto no videogame quanto no rpg, é o a mudança q os personagens provocam no mundo, e não o contrário. se vc coloca uma situação q duas facções com tons de cinza apareçam na campanha, e os jogadores tenham q se alinhar, tem q ter a possibilidade de mantar tudo a merda e fazer sua própria facção, com jogos e prostitutas!

Bender manda lembranças...

Esse tipo de coisa de o personagem influenciar a facção é complicado.

O que você disse do personagem influenciar o mundo em vez do mundo influenciar o personagem é relativo. Eu sempre vi isso como Megalomania dos jogadores, dá certo pro Video-Game, mas prefiro que seja mais tênue a influencia. Como por exemplo não deixar um jogador destruir TODOS os Zhentarins, mas ainda poderia deixar ele tomar uma das cidadelas deles. Seria algo que impactaria muito a organização, mas sem a dissolver por completo. Só num jogo super-uper que isso seria no mínimo viável.


bender é foda.

eu deixaria, acho legal no rpg o mundo não girar em volta dos personagens, mas eles terem o poder de parar o mundo e fala: "vc, GTFO" É um momento épico.

No caso de ignorar as facções, era mais pra uma questão de que vc não precisa se aliar, vc pode, no escopo da campanha, substituir ou anular os concorrentes e pegar o q eles queriam pra vc. Se tem dois nobres brigando pelo trono, mesmo q seja um bom ou um mal, temq ter a possibilidade do jogador ficar com a coroa.

@Sig, mas tb a legião é absurdamente Evil. Os baernaloths aplaudem o cesar.
isso ak é twitter ou assinatura?

@danielbalard

Seja um dragão! Pergunte-me como!

Offline AlexBarros

  • The Watcher
  • Derroto Quase Tudo
  • *********
  • Mensagens: 5.623
  • Reputação: +25/-18
  • Feel the Force... Use the Force...
Re:Moral nos jogos
« Resposta #12 Online: Janeiro 24, 2012, 08:46:21 am »

eu deixaria, acho legal no rpg o mundo não girar em volta dos personagens, mas eles terem o poder de parar o mundo e fala: "vc, GTFO" É um momento épico.

No caso de ignorar as facções, era mais pra uma questão de que vc não precisa se aliar, vc pode, no escopo da campanha, substituir ou anular os concorrentes e pegar o q eles queriam pra vc. Se tem dois nobres brigando pelo trono, mesmo q seja um bom ou um mal, temq ter a possibilidade do jogador ficar com a coroa.


Eu acho que no RPG assim como no vídeo game os personagens jogadores são os personagens principais são os elementos de destaque. Já joguei várias aventuras onde isso não era abordado e ter aquela visão de estar sempre em segundo plano meio ruim.

Ter a possibilidade de se tornar o Rei ou o Grande Herói de algum grupo, nação ou facção é ao meu ver o que motiva mais os jogadores. Por isso concordo com o Balard na possibilidade de o jogador poder escolher as opções A ou B que são dadas pelo mestre mas também ele pode escolher uma outra que o próprio mestre não tenha visto antes.

Claro que ele pode mover muitas pessoas com essa visão dele, e pessoas das duas outras opiniões. Não deve ser apenas preto ou branco.

Como eu disse ele deve ter esse direito senão vira jogo de video game ou livro. E o RPG está entre os dois ao meu ver. As questões morais caso ele opte por um novo caminho serão muito maiores e suas consequências com certeza mais extremas, afinal ele vai estar criando um ciclo anárquico ao criar um novo paradigma na relação de poder.

Com certeza irá começar insignificante mas com o tempo poderá até ser uma nova linha de pensamento e de modos e costumes, claro que se ele tiver seguidores na sua proposta.
"Os talentosos atingem metas que ninguém mais pode atingir; os gênios atingem metas que ninguém mais pode ver" - Arthur Schopenhauer

"Deus conseguiu fazer o mundo em  6 dias porquê não tinha ninguém perguntando quando ia ficar  pronto. Agora para um programador esta frase é feita a cada 6 minutos"

Offline Zanard

  • Já Recebo Espólios
  • ******
  • Mensagens: 1.680
  • Reputação: +5/-10
Re:Moral nos jogos
« Resposta #13 Online: Janeiro 24, 2012, 10:55:41 am »
Deixar os jogadores terem peso e liberdade de ação no RPG é essencial. 99% de chance que eles vão pisar fora da trilha que você fez a princípio, mas isso é normal, não é? Deixar bem claro que nada que ele fizer será inconsequente.

Abrir o leque de possibilidades é uma das coisas mais básicas num jogo de RPG: se o objetivo é interpretar, bloquear caminhos e visões não tem como ser o caminho certo a seguir. Ser bom é normal. Ser mau também é comum. Mas também devemos permitir ao jogador um sem número de caminhos intermediários, assim como há na vida.

Offline NickNunes

  • Carregador de Tochas
  • ***
  • Mensagens: 356
  • Reputação: +0/-48
  • Que porra é essa?
Re:Moral nos jogos
« Resposta #14 Online: Janeiro 26, 2012, 08:08:00 pm »
To achando que soh eu sou cruelzao por aqui mesmo hein?

Dos jogos que eu joguei que dava pra escolher: Em ambos SWKotors eu fui malvadao sem pensar meia-vez
Skyrim nao da pra escolher muito, mas ainda assim sempre que tem a opcao deixar vivo/passar a faca, creia que eu passo a faca

Nao lembro de nenhum outro jogo (pelo menos recentemente) que envolva escolher lados, mas eu SEMPRE escolho o lado malvado da forca. Qto ao lance de moral e bons costumes como diria Jay-Z "You can kiss my whole ass hole"
Eu SEMPRE lincho scum... Só que as vezes eles nao sao mafiosos!


Com a Resposta Rápida pode usar o código BBC e os smileys como numa mensagem normal, mas muito mais rapidamente.

Alerta: este tópico não recebe novas postagens à pelo menos 120 dias.
A não ser que você esteja certo que quer responder, por favor, considere criar um novo tópico.

Nome: Email:
Anti-spam: complete the task